top of page

Ostara

O nome Ostara está relacionado com a deusa da fertilidade, amor e do renascimento da mitologia anglo-saxã, da mitologia nórdica e mitologia germânica. Também é relativo às festividades que se celebram durante o equinócio desta estação. A data tem forte ligação com diversas outras celebrações pagãs.

Ostara é o primeiro dia da Primavera, ocorre normalmente entre 21 e 24 de setembro no hemisfério Sul (podendo ocorrer entre 20 e 25 de setembro) e entre 20 e 23 de março no hemisfério Norte (podendo ocorrer entre 17 e 24 de março). O início da primavera marca também a volta do Sol e uma época do ano em que dia e noite tem a mesma duração depois do inverno. Para os alguns neopagãos é o despertar da Terra com sentimentos de equilíbrio e renovação. Uma das principais tradições desse festival é a decoração de ovos. O ovo representa a fertilidade da "deusa" e do "deus". Outra tradição muito antiga é a de esconder os ovos e depois achá-los.(Talvez veio daí o costume dos Norte-americanos de esconderem os ovos de chocolate no dia da Páscoa para que as crianças os achem).

Para os wiccanos também é época de começar a plantar, época do amor, de promessas e de decisões, pois a Terra e a natureza despertam para uma nova vida.


Lendas

Alguns sites contam uma história de Eostre ligando-a a pássaros e lebres, porém não há nenhum registro antigo relacionado a isso, o que leva a crer que esse mito seja uma versão moderna criada para ligar símbolos de fertilidade presentes no paganismo com a Deusa.


No mito, conta que Eostre estava sentada em um jardim com algumas crianças, quando um pássaro voou sobre elas e pousou na mão da Deusa. Ao dizer algumas palavras mágicas, o pássaro se transformou em uma lebre. Isto maravilhou as crianças mas, com o passar dos meses, elas repararam que a lebre não estava feliz com a transformação, porque não mais podia cantar nem voar.

As crianças pediram a Eostre que revertesse o encantamento. Ela tentou, mas não conseguiu desfazer o encanto. Eostre decidiu esperar até que o inverno passasse, pois nesta época seu poder diminuía. Quando a Primavera retornasse e ela seria restituída de seus poderes e poderia ao menos dar alguns momentos de alegria à lebre, transformando-a novamente em pássaro, nem que fosse por alguns momentos.

A lebre permaneceu até que então a Primavera chegou e Eostre, com seus poderes restaurados, transformou a lebre em um pássaro novamente. Agradecido, o pássaro botou ovos em homenagem a Deusa, mas logo voltou a forma de uma lebre que, ainda feliz, pintou os ovos e os distribuiu pelo mundo.

Para lembrar às pessoas de seu ato tolo de interferir no livre-arbítrio de alguém, Eostre entalhou a figura de uma lebre na lua que pode ser vista até hoje por nós.

Mas existiu uma deusa Eostre?

Eostre apareceu pela primeira vez na literatura há cerca de trezentos anos, no Venerável Bede 's Temporum Ratione. Bede nos diz que abril é conhecido como Eostremonath, e tem o nome de uma deusa que os anglo-saxões homenageavam na primavera. No capítulo 15 (De mensibus Anglorum, "Os meses ingleses") de sua obra do século VIII De temporum ratione ("O cálculo do tempo"), Bede descreve os nomes dos meses indígenas do povo inglês. Depois de descrever a adoração da deusa Rheda durante o mês anglo-saxão de Hrēþ-mōnaþ , Bede escreve sobre Ēosturmōnaþ, o mês da deusa Ēostre: Eosturmonath tem um nome que agora é traduzido como "mês pascal", e que já foi chamado em homenagem a uma deusa deles chamada Eostre, em cuja homenagem as festas eram celebradas naquele mês. Agora, eles designam aquela época pascal pelo nome dela, chamando as alegrias do

novo rito pelo nome consagrado pelo tempo da antiga observância.

Antes da descoberta da matronae Austriahenae em 1958, estudos sobre este tópico frequentemente levantavam a questão de se Beda havia inventado a divindade. Escrevendo no final do século 19, Charles J. Billson observa que os estudiosos antes de sua escrita estavam divididos sobre a existência do relato de Bede sobre Ēostre, afirmando que "entre as autoridades que não têm dúvidas quanto à existência dela estão W. Grimm, Wackernagel, Sinrock e Wolf. Por outro lado, Weinhold rejeita a ideia por motivos filológicos, assim como

Heinrich Leo e Hermann Oesre. Kuhn diz: 'O anglo-saxão Eostre parece uma invenção de Beda;' e Mannhardt também a descarta como uma de a ex machina etimológica." Billson diz que "toda a questão gira... sobre a credibilidade de Bede", e que "alguém está inclinado a concordar com Grimm, que seria acrítico selar este eminente Pai do Igreja, que mantém o paganismo à distância e nos fala menos do que sabe, com a invenção dessa deusa. "Billson destaca que a cristianização da Inglaterra começou no final do século 6 e, no século 7, foi Billson argumenta que, como Bede nasceu em 672, Bede deve ter tido oportunidades de aprender os nomes das deusas nativas dos anglo-saxões, "que dificilmente foram extintas em sua vida."

Segundo o filólogo Rudolf Simek (1984), apesar das expressões de dúvidas, o relato de Bede sobre Ēostre não deve ser desconsiderado. Simek opina que uma "deusa da fertilidade parecida com a primavera" deve ser assumida em vez de uma "deusa do nascer do sol", independentemente do nome, argumentando que "caso contrário, as deusas (e matronas) germânicas estão principalmente ligadas à prosperidade e ao crescimento". Simek aponta para uma comparação com a deusa Rheda , também atestada por Bede.

O estudioso Philip A. Shaw (2011) escreve que o assunto viu "uma longa história de argumentos a favor e contra a deusa Ēostre de Beda, com alguns estudiosos assumindo posições bastante extremas em ambos os lados" e que algumas teorias contra a deusa ganharam proeminência cultural popular. Shaw observa que "muito desse

debate, no entanto, foi conduzido na ignorância de uma peça-chave de evidência, uma vez que não foi descoberta até 1958. Esta evidência é fornecida por mais de 150 inscrições votivas romano-germânicas a divindades chamadas de matronae Austriahenae, encontrado perto de Morken-Harff e datável por volta de 150-250 DC". A maioria dessas inscrições está em um estado incompleto, mas a maioria é completa o suficiente para uma clareza razoável das inscrições. Já em 1966, os estudiosos associavam esses nomes etimologicamente a Ēostre e um elemento encontrado em nomes pessoais germânicos. Shaw argumenta contra uma interpretação funcional das evidências disponíveis e conclui que "as conexões etimológicas de seu nome sugerem que seus adoradores viam sua relação geográfica e social com eles como mais central do que quaisquer funções ela pode ter tido".


As Lebres e a Páscoa

No norte da Europa, as imagens da Páscoa geralmente envolvem lebres e coelhos. O primeiro estudioso a fazer uma conexão entre a deusa Eostre e as lebres foi Adolf Holtzmann em seu livro Deutsche Mythologie. Holtzmann escreveu sobre a tradição: "A Lebre da Páscoa é inexplicável para mim, mas provavelmente a lebre era o animal sagrado de Ostara; assim como há uma lebre na estátua de Abnoba".

Citando os costumes folclóricos da Páscoa em Leicestershire, Inglaterra, onde "os lucros da terra chamada Harecrop Leys foram aplicados no fornecimento de uma refeição que foi jogada no chão no 'Hare-pie Bank'", estudioso do final do século XIX Charles Isaac Elton especulou sobre uma conexão entre esses costumes e a adoração de Ēostre. Em seu estudo do final do século 19 sobre a lebre nos costumes e mitologia populares, Charles J. Billson citou vários incidentes de costumes populares envolvendo lebres na época da Páscoa no norte da Europa. Billson disse que "quer houvesse uma deusa chamada Ēostre , ou não, e qualquer conexão que a lebre possa ter tido com o ritual de adoração saxônica ou britânica, existem bons motivos para acreditar que a sacralidade deste animal remonta a uma era ainda mais remoto, onde é provavelmente uma parte muito importante do grande Festival da Primavera dos habitantes pré-históricos desta ilha."

Adolf Holtzmann também havia especulado que "a lebre deve ter sido um pássaro, porque bota ovos" no folclore alemão moderno. A partir dessa declaração, várias fontes posteriores construíram uma lenda moderna na qual a deusa Eostre transformou um pássaro em uma lebre que põe ovos. Uma resposta a uma pergunta sobre as origens das lebres da Páscoa na edição de 8 de junho de 1889 da revista American Notes and Queries declarou: "Na Alemanha e entre os alemães da Pensilvânia, coelhos ou lebres de brinquedo feitos de flanela do cantão recheada com algodão são dados como presentes na manhã de Páscoa". As crianças ficam sabendo que este Osh'ter pôs os ovos de Páscoa. Esta curiosa ideia é explicada: A lebre era originalmente um pássaro e foi transformada em quadrúpede pela deusa Ostara; em gratidão a Ostara ou Eastre, a lebre exerce sua função original de pássaro para botar ovos para a deusa em seu dia festivo. De acordo com o folclorista Stephen Winick, em 1900, muitas fontes populares pegaram a história de Eostre e a lebre. Um descreveu a história como uma das mais antigas da mitologia, "apesar de ter então menos de vinte anos".

Alguns estudiosos ainda vincularam costumes e imagens envolvendo lebres a Ēostre e à deusa nórdica Freyja. Escrevendo em 1972, John Andrew Boyle citou comentários contidos em um dicionário de etimologia por A. Ernout e A. Meillet, onde os autores escrevem que "Pouco mais... se sabe sobre [Ēostre], mas foi sugerido que suas luzes, como deusa da alvorada, eram carregadas por lebres. E ela certamente representava a fecundidade da primavera , e o amor e o prazer carnal que leva à fecundidade." Boyle respondeu que nada se sabe sobre Ēostre fora da única passagem de Beda, que os autores aparentemente aceitaram a identificação de Ēostre com a deusa nórdica Freyja, embora a lebre também não esteja associada a Freyja.

Boyle escreve que "sua carruagem, segundo Snorri, era puxada por um par de gatos - animais, é verdade, que, como lebres, eram familiares de bruxas, com as quais Freyja parece ter muito em comum". No entanto, Boyle acrescenta que "por outro lado, quando os autores falam da lebre como a 'companheira de Afrodite e dos sátiros e cupidos' e apontam que 'na Idade Média ela aparece ao lado da figura de Luxuria', eles são em terreno muito mais seguro e pode apresentar a evidência de suas ilustrações."

A evidência mais antiga da Lebre da Páscoa (Osterhase) foi registrada no sudoeste da Alemanha em 1678 pelo professor de medicina Georg Franck von Franckenau, mas permaneceu desconhecida em outras partes da Alemanha até o século XVIII. O estudioso Richard Sermon escreve que "lebres eram frequentemente vistas em jardins na primavera e, portanto, podem ter servido como uma explicação conveniente para a origem dos ovos coloridos escondidos ali para as crianças. Alternativamente, há uma tradição europeia que diz que as lebres põem ovos, desde um arranhão ou forma de lebre e um abibe. Os ninhos são muito semelhante e ambos ocorrem em pastagens e são vistos pela primeira vez na primavera. No século XIX, a influência dos cartões de Páscoa, brinquedos e livros tornou o Coelho/Lebre da Páscoa popular em toda a Europa. Os imigrantes alemães então exportaram o costume para a Grã-Bretanha e América, onde evoluiu para o Coelhinho da Páscoa."


Wicca

O Deus Sol está em seu período de puberdade, cheio de energia e bastante disposto. A Deusa está em sua fase Donzela, também cheia de energia e de vida.


Correspondências

🐰 Celebrado: 21 a 23 de setembro HS / 20 a 23 de março HN

🐰 Cores: verde, azul, amarelo, rosa, violeta

🐰 Animais: cobra, coelho, pintinho, corvo

🐰 Pedras: quartzo-verde, quartzo-rosa, quartzo,

água-marinha, ametista, pedra-da-lua, amazonita

🐰Comidas: soja, broto de soja, presunto assado, ovos, frutas frescas,

peixe, laticínios, sementes, nozes, pães doces, bolo de mel, pão de

banana, chocolate, vinho doce, limonada, decorar biscoito com flores

🐰 Ervas: celidônia, tormentilha, jasmin, rosa, tanaceto, violeta, bolota,

açafrão, narciso, dogwood, madressilva, iris, lírio, morango.

🐰 Decoração: flores e folhas, lua nova, borboletas, casulos, abelhas, coelhos, cestas,

bolotas, brotos, cordeiros, pintinhos, ovos para a fertilidade.


Atividades


Dê a si mesmo uma limpeza espiritual na

primavera

O inverno frequentemente estagna a energia e a transforma em negatividade. Isso se manifesta como depressão para alguns, ou você pode se sentir deprimido, caótico ou emocionalmente carregado. Seu corpo é um templo que se esconde dos elementos amargos, protegendo-se do frio lá fora. Você está prestes a mudar sua energia exatamente quando a natureza está se transformando.

Deixe de lado essa velha energia e permita-se brotar novas folhas e crescer. Para abrir espaço para que a energia da abundância da primavera flua, você precisa limpar e abrir novos caminhos dentro de você. Abrace o retorno do sol por meio da limpeza para que você possa recebê-lo com uma nova intenção.


Desintoxique e ilumine suas refeições

Durante o inverno, tendemos a comer alimentos mais quentes e mais pesados. Quando a primavera voltar, é hora de comer alimentos mais frescos e cheios de cor. Comece a comer refeições mais leves, feitas com frutas e vegetais frescos da primavera.


Limpeza intencional de primavera

Reúna seus colegas de casa, parentes ou quem estiver disposto a sair com você e limpar. Convide-os a participar de uma atividade divertida e acolhedora para a limpeza da primavera.

  • Abra a janela.

  • Tire as teias de aranha.

  • Livre-se de móveis velhos e coisas que não sejam úteis, bonitas

  • ou alegres.

  • Toque música divertida.

  • Faça comida para lanchar ao longo do dia.

  • Acenda velas ou incenso.

Divirta-se com ele e abrace esse momento de vida, emoção e alegria.

Empurre o antigo para abrir espaço para o novo.


Coma e compartilhe alimentos frescos e vibrantes

A primavera é abundante, com belas frutas e vegetais da estação.

Crie um piquenique com amigos e entes queridos. Tente encontrar um lugar perto da água para representar o fluxo de energia da vida. Convide todos a trazerem um prato que mostre as cores vibrantes da estação. Não é apenas um momento para novos começos, mas para novas amizades, aventuras, ambientes e tradições.


Honre o primeiro Sol da Primavera

Isso pode ser feito como uma atividade solitária ou com outras pessoas. Acorde antes do sol no primeiro dia de primavera. À medida que o sol nasce, dê-lhe as boas-vindas levantando as mãos com as palmas para o céu. Isso traz o sol para o seu corpo e campo auditivo.

Puxe a energia do sol através dos chakras da coroa, do terceiro olho, da garganta, do coração, do plexo solar, do sacro e da raiz. Então, plante suas mãos firmemente no chão para devolver o sol à Mãe Terra. Leve o seu tempo com isso. Inspire amor, expire gratidão. Sorriso. Você notará uma diferença em sua própria energia porque o sol passou por você a caminho da Terra. Compartilhe sua energia com as pessoas ao seu redor.


Faça um Altar de Primavera

Sozinho ou com amigos e entes queridos, decore um altar para a primavera. Use cores brilhantes e imagens vibrantes. Certifique-se de que seja um lugar que você possa visitar com facilidade e frequência.

Se você está nervoso porque as pessoas com quem vive vão julgá-lo ou tem medo da simbologia das bruxas, mantenha-a positiva e leve usando apenas flores e velas. Você não quer convidar o medo para sua casa e certamente não para o seu altar. Se aqueles que moram em sua casa entendem o simbolismo, acrescente pentáculos, deusas, símbolos de proteção e bênçãos. Colocar plantas e flores vivas pode encorajá-lo a fazer uma visita diária. Torne-o uma celebração bonita e colorida da vida e de novos começos. Imagine que você está dando um chá de bebê para a mãe natureza.


Reconecte-se aos animais

A primavera desperta uma nova vida, então celebre-a com uma nova vida. Leve-se ao zoológico, uma fazenda ou um zoológico de animais domésticos, onde poderá encontrar cabritos, pintinhos, patinhos, bezerros, etc. Passe algum tempo com as pequenas criaturas e observe seus lindos e grandes olhos. Além disso, se houver novos bebês em sua família, passe um tempo com eles. Faça um piquenique, dê uma caminhada ou faça o que quiser. Os bebês só conhecem o amor, então compartilhe essa energia positiva com eles.


Texto adaptado dos ensinamentos de Ágatha Kimura, sigam ela no Instagram

376 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Samhain

Mabon

Lammas

Comments


Post: Blog2_Post
  • Telegram
  • Facebook
  • Instagram
  • Blogger
bottom of page