top of page

A Roda do Ano

A roda do ano é o nome dado a um conjunto de festivais sazonais que simbolizam a passagem do tempo na visão dos pagãos, observado nos pagãos modernos, sendo constituído de solstícios e equinócios e os pontos médios entre eles, resultando em oito festivais.

Apesar dos nomes variarem em cada festival nas tradições pagãs, eles podem ser divididos em sabbaths maiores e sabbaths menores, particularmente na Wicca. As diferentes tradições ainda variam quanto ao momento da celebração, levando como base as lunações e o hemisfério. As concepções contemporâneas foram amplamente influenciadas pelo paganismo britânico do século XX.

Muitas tradições pagãs tem uma visão cíclica do tempo, baseado no conceito de nascimento e morte do sol, sendo visto tanto deforma macro, quanto de forma micro. Nas tradições Wiccanas, reconstrucionistas politeístas e étnicas e as baseadas na Wicca, os festivais são vinculados aos movimentos solares das regiões mais ao norte do planeta. Junto com as festividades da lua, ou Esbaths, formam as celebrações mais comuns do neopaganismo influenciado pela Wicca.

Os quatro sabbaths mais comuns desses grupos são os chamados Sabbaths Maiores que são o Imbolc ou Candlemass, Beltane ou May Eve, Lammas ou Lughnasadh e o Halloween ou Samhain. Esses festivais são de origem dos antigos celtas da Irlanda e outras regiões da Europa ocidental, com influência desse povo que celebravam as colheitas. Muitos grupos da Wicca, como o de Gardner, adotaram essas comemorações dos sabbaths. Gardner mesmo usou os nomes em inglês.

Os outros quatro festivais são chamados de Sabbaths Menores, correspondentes aos equinócios e solstícios, adotados em 1958 pelos membros do Coven Bricket Wood, e, com o tempo, começaram a influenciar outras tradições, até serem adotadas por outros membros da tradição de Gardner e, eventualmente, a Alexandrina, o Dianismo e a Algardiana. Os nomes atuais são retirados dos antigos festivais germânicos. De qualquer modo, os festivais não são uma reconstrução exata do original e não se assemelham com suas contrapartes históricas na maior parte das vezes. Os Sabbaths Menores são: Yule, Ostara, Litha e Mabon.

RODA DO ANO SUL

As comemorações são feitas de acordo com as estações do hemisfério sul, portanto:

Yule - 19/06 a 23/06

Imbolc - 01/08

Ostara - 21/09 a 24/09

Beltane - 01/11

Litha - 20/12 a 23/12

Lammas - 02/02

Mabon - 19/03 a 22/03

Samhain - 01/05

RODA DO ANO NORTE

As comemorações são feitas de acordo com as estações do hemisfério norte, portanto:

Yule - 20/12 a 23/12

Imbolc - 02/02

Ostara - 20/03 a 23/03

Beltane - 30/04

Litha - 20/06 a 23/06

Lammas - 01/08

Mabon - 20/09 a 23/09

Samhain - 31/10

A Roda Mista seria comemorada da seguinte forma:

Yule - 19/06 a 23/06

Lammas - 01/08

Ostara - 21/09 a 24/09

Samhain - 31/10

Litha - 20/12 e 23/12

Imbolc - 02/02

Mabon - 19/03 e 22/03

Beltane - 30/04


Equinócios e Solstícios

Solstício e equinócio são fenômenos astronômicos relacionados ao movimento aparente do Sol (incidência de raios solares nos hemisférios) e ao início das estações do ano.

O solstício ocorre em dois momentos do ano, marcando o início do inverno e do verão. O verão inicia-se em junho no Hemisfério Norte e em dezembro no Hemisfério Sul. Já o inverno tem início em dezembro no Hemisfério Norte e em junho no Hemisfério Sul.

O equinócio ocorre também em dois momentos do ano, marcando o início da primavera

e do outono. A primavera inicia-se em março no Hemisfério Norte e em setembro no Hemisfério Sul. Já o outono tem início em setembro no Hemisfério Norte e em março no Hemisfério Sul.


Diferença entre solstício e equinócio

O solstício representa o momento em que o Sol, ao longo de seu movimento aparente, atinge maior declinação em latitude em relação à linha do Equador. Isso faz com que um dos hemisférios receba maior incidência de raios solares. Quando a intensidade solar é maior em um dos hemisférios, caracteriza-se o solstício de verão. Em contrapartida, quando a intensidade solar é menor, caracteriza-se o solstício de

inverno. Assim, quando é solstício de verão no Hemisfério Norte, o Sol incide perpendicularmente sobre o Trópico de Câncer. Quando é solstício de verão no Hemisfério Sul, o Sol incide perpendicularmente sobre o Trópico de Capricórnio.

No solstício de verão, os dias são mais longos que as noites. Já no solstício de inverno, as noites são mais longas que os dias. Mostrando o ápice do poder do Sol.

Equinócio representa o momento em que nenhum dos polos está inclinado em relação ao Sol, o qual incide diretamente sobre a linha do Equador. Isso significa que os raios solares incidem com a mesma intensidade no dois hemisférios, consequentemente, os dias e as noites têm a mesma duração.

O equinócio ocorre em dois momentos do ano. Em março, marca o início da primavera no Hemisfério Norte e do outono no Hemisfério Sul. Já em setembro, o equinócio marca o início do outono no Hemisfério Norte e da primavera no Hemisfério Sul.


Solstício, equinócio e estações do ano

O movimento de translação, em que a Terra gira ao redor do Sol, leva cerca de 365 dias e, em decorrência da inclinação da Terra em relação ao seu plano orbital, faz com que a incidência solar seja diferente nos hemisférios. Sendo assim, esse movimento é responsável pela existência das estações do ano, que são determinadas pela posição do hemisfério em relação aos raios solares. As estações do ano não ocorrem de maneira uniforme e simultânea nos dois hemisférios.

Os solstícios e os equinócios, fenômenos astronômicos relacionados ao movimento aparente do Sol, dão início às estações do ano. A incidência dos raios solares de maneira desigual nos hemisférios marca o solstício de verão em um hemisfério e o solstício de inverno em outro. A incidência dos raios solares perpendicularmente sobre alinha do Equador faz com que os dois hemisférios recebam igualmente a radiação solar. Dessa forma, marca-se o início da primavera em um dos hemisférios e o início do outono no outro.

Origem

Evidências históricas e arqueológicas sugerem que os antigos povos pagãos e politeístas variaram em suas observações culturais; Os anglo-saxões celebravam os solstícios e equinócios, enquanto os celtas celebravam as divisões sazonais com vários festivais de fogo. No século X, Cormac Mac Cárthaigh escreveu sobre "quatro grandes fogos... acesos nos quatro grandes festivais dos druidas ... em fevereiro, maio, agosto e novembro."

O ciclo de festivais neopagãos contemporâneos, antes de ser conhecido como a Roda do Ano, foi influenciado por obras como The Golden Bough de James George Frazer (1890) e The Witch-Cult in Western Europe (1921) de Margaret Murray . Frazer afirmou que Beltane (o início do verão) e Samhain (o início do inverno) eram os mais importantes dos quatro festivais gaélicos mencionados por Cormac. Murray usou registros dos primeiros julgamentos de bruxas modernas , bem como do folclore em torno da feitiçaria europeia, na tentativa de identificar os festivais celebrados por uma religião pagã clandestina supostamente difundida que sobreviveu até o início do período moderno. Murray relata um registro de julgamento de 1661em Forfar, Escócia, onde a bruxa acusada (Issobell Smyth) está conectada com reuniões realizadas "a cada trimestre em Candlemas, Rud-day, Lambemas e Hallomas."

Em The White Goddess (1948), Robert Graves afirmou que, apesar da cristianização, a importância dos ciclos agrícolas e sociais preservou a "continuidade do antigo sistema festivo britânico" que consistia em oito feriados: "A vida social inglesa era baseada na agricultura, pastagem e caça" implícita na" celebração popular dos festivais agora conhecidos como Candelária, Lady Day, o dia de maio, Dia de Verão, Lammas, Miguel, All-Hallowe'en, e Natal , mas também foi secretamente preservado como doutrina religiosa nos covens da bruxa-cult anti-cristã ".

No final da década de 1950, o Coven Bricket Wood liderado por Gerald Gardner e a Ordem dos Bardos, Ovates e Druidas liderados por Ross Nichols haviam adotado calendários rituais íntegros, a fim de realizar celebrações mais frequentes. A lenda popular afirma que Gardner e Nichols desenvolveram o calendário durante um retiro naturista, onde Gardner defendeu a celebração dos solstícios e equinócios, enquanto Nichols defendeu a celebração dos quatro festivais de fogo celtas e combinou as duas ideias em um único ciclo de festival. Embora esta coordenação eventualmente tenha o benefício de alinhar mais as celebrações entre os dois primeiros grupos Neopagãos, Os primeiros escritos de Gardner omitem qualquer menção aos solstícios e equinócios, focando exclusivamente os festivais de fogo. Gardner inicialmente se referiu a eles como "véspera de maio, véspera de agosto, véspera de novembro (Dia das Bruxas) e véspera de fevereiro". Gardner identificou ainda mais esses festivais de bruxas modernas com os festivais de fogo gaélico Beltene, Lugnasadh, Samhuin e Brigid. Em meados da década de 1960, a frase Roda do Ano foi cunhada para descrever o ciclo anual de feriados das bruxas.

Aidan Kelly deu nomes aos feriados do solstício de verão (Litha) e do equinócio (Ostara e Mabon) da Wicca em 1974, e estes foram popularizados por Timothy Zell por meio de sua revista Green Egg. A popularização desses nomes aconteceu gradualmente; em seu livro de 1978, Witchcraft For Tomorrow, a influente Wiccana Doreen Valiente não usou os nomes de Kelly, em vez disso, simplesmente identificou os solstícios e equinócios ("Sabás Menores") por suas estações. Valiente identificou os quatro "Sabbats Maiores", ou festivais do fogo, pelos nomes Candlemas, May Eve, Lammas e Halloween, embora ela também tenha identificado seus equivalentes irlandeses como Imbolc, Beltane, Lughnassadh e Samhain.

Devido à influência da Wicca no Paganismo Moderno e à adoção sincrética de motivos anglo-saxões e célticos, os nomes dos festivais ingleses mais comumente usados para a Roda do Ano tendem a ser os celtas introduzidos por Gardner e os nomes de origem germânica introduzidos por Kelly, mesmo quando as comemorações não são baseadas nessas culturas. O movimento americano Ásatrú adotou, ao longo do tempo, um calendário no qual os principais feriados pagãos figuram ao lado de muitos Dias de Memória que celebram os heróis da Edda e das Sagas , figuras da história germânica, e o Viking Leif Ericson, que explorou e colonizou Vinland (América do Norte). Esses festivais não são, entretanto, tão uniformemente distribuídos ao longo do ano como na Wicca e em outras denominações pagãs.


Narrativa Histórica

Os Celtas

É um equívoco em alguns setores da comunidade neopagã, influenciados pelos escritos de Robert Graves, que os celtas históricos tivessem uma narrativa abrangente para todo o ciclo do ano. Embora os vários calendários celtas incluam alguns padrões cíclicos e uma crença no equilíbrio entre claro e escuro, essas crenças variam entre as diferentes culturas celtas, lembrando que eles se espalharam por toda a Europa e guerreavam entre si. Preservacionistas e revivalistas modernos geralmente observam os quatro 'festivais de fogo' do calendário gaélico, e alguns também observam festivais locais que são realizados em datas importantes nas diferentes nações celtas.


Os Eslavos

A mitologia eslava fala de um conflito persistente envolvendo Perun, deus do trovão e do relâmpago, e Veles, o deus negro e deus com chifres do submundo. A inimizade entre os dois é iniciada pela ascensão anual de Veles na árvore do mundo na forma de uma enorme serpente e seu roubo final do gado divino de Perun do domínio celestial. Perun retalia este desafio da ordem divina perseguindo Veles, atacando com seus raios do céu.

A ideia de que tempestades e trovões são na verdade batalhas divinas é fundamental para a mudança das estações. Os períodos de seca são identificados como resultados caóticos do roubo de Veles. Esta dualidade e conflito representam uma oposição dos princípios naturais da terra, água, substância e caos (Veles) e do céu, fogo, espírito, ordem (Perun), não um choque entre o bem e o mal. A batalha cósmica entre os dois também ecoa a antiga narrativa indo-europeia de uma luta entre o deus da tempestade carregado pelo céu e o dragão ctônico.

Na grande noite (ano novo), nascem dois filhos de Perun, Jarilo, deus da fertilidade e da vegetação e filho da Lua, e Morana, deusa da natureza e da morte e filha do sol. Na mesma noite, o infante Jarilo é raptado e levado para o submundo, onde Veles o cria como se fosse seu. Na época do equinócio da primavera, Jarilo retorna através do mar do mundo dos mortos, trazendo com ele fertilidade e primaverado submundo perene para o reino dos vivos. Ele conhece sua irmã Morana e a corteja. Com o início do verão, os dois se casam trazendo fertilidade e abundância para a Terra, garantindo uma colheita farta. A união dos parentes de Perun e do enteado de Veles traz a paz entre dois grandes deuses, evitando tempestades que podem prejudicar a colheita.

Após a colheita, no entanto, Jarilo é infiel à sua esposa e ela o mata vingativamente, devolvendo-o ao submundo e renovando a inimizade entre Perun e Veles. Sem seu marido, deus da fertilidade e da vegetação, Morana - e toda a natureza com ela - murcha e congela no inverno que se segue. Ela cresce e se torna a velha e perigosa deusa das trevas e do gelo, eventualmente morrendo no final do ano apenas para renascer novamente com seu irmão no ano novo.


Wicca e o Neodruidismo

Na Wicca, a narrativa da Roda do Ano tradicionalmente centra-se no casamento sagrado do Deus e da Deusa e na dualidade deus/deusa. Neste ciclo, o Deus nasce perpetuamente da Deusa em Yule, cresce em poder em Ostara (assim como a Deusa, agora em seu aspecto de donzela), corteja e fecunda a Deusa em Beltane, atinge seu auge no Litha, diminui em poder em Lammas, passa para o submundo em Samhain (levando com ele a fertilidade da Deusa/Terra, que agora está em seu aspecto de anciã) até que ele nasça novamente de seu aspecto mãe/velha em Yule. A Deusa, por sua vez, envelhece e rejuvenesce infinitamente com as estações, sendo cortejada e dando à luz ao Deus.

Muitos wiccanos, neo-druidas e neopagãos ecléticos incorporam uma narrativa do Rei Azevinho e do Rei Carvalho como governantes do ano minguante e do ano crescente, respectivamente. Essas duas figuras lutam incessantemente com a virada das estações. No solstício de verão, o Rei Azevinho derrota o Rei Carvalho e começa seu reinado. Após o equinócio de outono, o Rei Carvalho lentamente começa a recuperar seu poder conforme o sol começa a diminuir. Chega o solstício de inverno, o Rei Carvalho por sua vez, derrota o Rei Azevinho. Após o equinócio da primavera o sol começa a crescer novamente e o Rei Azevinho lentamente recupera suas forças até que ele mais uma vez derrota o Rei Carvalho no solstício de verão. Os dois são, em última análise, vistos como partes essenciais de um todo, aspectos claros e sombrios do Deus masculino, e não existiriam um sem o outro.

O Rei Azevinho é frequentemente retratado como uma figura amadeirada, semelhante ao Papai Noel moderno, vestido de vermelho com raminhos de azevinho em seu cabelo e o Rei Carvalho como um deus da fertilidade.

Texto adaptado dos ensinamentos de Ágatha Kimura, sigam ela no Instagram

Posts recentes

Ver tudo

Samhain

Mabon

Kommentarer


Post: Blog2_Post
  • Telegram
  • Facebook
  • Instagram
  • Blogger
bottom of page